Dei passos tornos

Hoje pela noite

Nitidamente desequilibrada,

Olhando pra baixo, falando sozinha

Chutei o chão

Perdi o canto da unha

Rua dos Andradas

Neblina na calçada, meia dúzia de pessoas carregando cobertores esburacados

A patrulha da limpeza lança um jato de água nos cantos mijados

Sem óculos, distante avistei a luz de um boteco

Atravessei o sono dos pombos no fio

E fui comprar um cigarro avulso

Comprei um masso

Dei três pra um cara.

Vi duas prostitutas trocando outros Dallas na Voluntários

Amigas antigas em alguma cena de cinema

De um diretor que agora dorme num lugar distante.

Sentei na escadinha do chalé

Cansei logo de assistir aos passos rápidos e inseguros em direção a estação

Reposicionei o corpo; vi melhor o telhado do mercado, o céu, a neblina e a lua

Pensei em porra nenhuma

Só queria curtir a solitude com estilo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: