A estética do estranho que estranha a si mesmo releva o oposto e prevalece o estranhamento ao que é semelhante. O implícito escorre pela cara de quem, estranho como o estranho incoerente, pensa que é gente e fala “a gente”, estranhando a recusa do outro, que agora se agarra a um comum consistente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: