Persiste o nada

no lugar da poesia.

Eu revido a violência

do desprezo teu

Sem ar nenhum de súplica.

Lembro

lembro

Te penso

Em cada prisma que me cega atrás dos olhos

Fecho tudo

Cortinas; pálpebras; boca

Silêncio meu

Proporcional à solidão tua

Socorrendo a minha.

[Left hand free – Alt-J]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: