Arquivo mensal: outubro 2012

Uma (quase) queda

(…)

Foi orgulho ferido
Pisado
Queimado

Me julgue!

…E pensar que eu tinha razão quando te troquei por qualquer noite vazia de porre.
Eu sou um gênio mesmo.
Pronto
Já me recuperei.

[Lucy Rose – Middle of the Bed]

Do inicio ao café amargo

Aquele café desceu pedindo um pretérito

Estrou forçado e caiu rasgando.

 

Eu me apaixonei por toda a concordância

E você, pela ideia dela.

 

Quer amar? Mostre os ossos! 

Me cansa ver só a carcaça.  

Só não me venha, por favor, com esse papo de devoção

Quando sua preocupação maior é ocupar o espaço vago na cama.

 

Já ocupou.

 

[Soko – I’ll Kill Her]

 

Menos etiqueta, por favor

É vontade de falar, aliviar e descansar, o coração e a cabeça. Escutar alguma parede do meu quarto, que talvez me faça entender o que eu não consigo colocar na mente.

 

Só me perdoa por não escrever declarações ou não fazer planos pra daqui 15 anos. Me perdoa por não pensar nos negros morrendo na África e nem no nosso amor morrendo aqui em casa.

 

Deve ser esse gosto amargo, não sei, das palavras. Elas estão todas aqui sendo mascadas na minha boca e, por favor, não faz essa cara de quem não entende metáforas. Elas ficam como um nervo que eu mastigo e mastigo, mas não quero engolir. Nem botar pra fora.

 

 

Arctic Monkeys – The Hellcat Spangled Shalalala]